segunda-feira, 26 de junho de 2017

Incoerência?

Da dor, eu faço poesia,
Porque pareço viver de calmaria,
Mas aqui em mim cabe uma fogueira
Que arde, brilha, queima, teima.

Tenho unhas pintadas de rosa.
Tenho unhas pintadas de preto.
Tenho contradições tão coloridas
Que insistem em rasgar o meu peito.

Há o colo que alenta e acolhe,
E há desejo de romper o priori.
Convivem o que dizem ser opostos,
Fazendo, sendo em mim preciosos.

Um comentário:

  1. Protagonista e antagonista formando o eu múltiplo da nossa essência. Parabéns!

    ResponderExcluir