segunda-feira, 12 de setembro de 2016

Coirmão

Eu não acho que preciso ser como tantos;
você, tampouco.
Tenho a pele como guia,
e você a tem como estrela.

Já rimos e brincamos.
Hoje, cantamos as mesmas canções.
Entoamos melodias que
nos encontraram em momentos diferentes.

Notas nos fazem espelho.
Olhares que nos fazem laço.

Agora, abraço
e você consegue sorrir
genuinamente,
ingenuamente.

Então,
siga ainda mais próximo.

2 comentários:

  1. Fascinante! Um jogo de palavras, uma construção rítmica, e uma coesão intimista, doce, quase pueril.

    ResponderExcluir